Conheça a história da biometria e suas aplicações.

By 4 de fevereiro de 2020Blog

Vivemos em um mundo onde nossos rostos, dedos e até vozes se tornaram senhas de acesso das mais variadas aplicações. Num mundo cada vez mais globalizado, as tecnologias estão sempre se adaptando e evoluindo, criando novas possibilidades. Um exemplo disso, e que você já viu aqui, é a biometria, com uma visão de mercado, mas agora é bem diferente. Aprofunde o seu conhecimento sobre essa solução que está há mais tempo em nossas vidas do que você imagina.

O diretor de Inovação & Pesquisa Tecnológica e especialista em biometria, Antônio Carlos Censi, nos contou que a aplicação da biometria já existe há incríveis 150 anos, desde a época em que a polícia britânica começou a utilizar impressões digitais para confrontar latentes de cenas de crimes com as digitais de possíveis suspeitos. Nessa época, por mais que ainda não fosse do conhecimento de todos, já se iniciava a utilização de soluções automatizadas para reconhecimento biométrico.

A grande expansão dessa tecnologia no mundo iniciou-se em meados da década de 1980 nos Estados Unidos, Europa, e no Brasil em 1999, quando a área de segurança pública no estado do Rio de Janeiro lançou um edital aberto para participação internacional para a implementação da tecnologia de tratamento de impressões digitais por computador. Para esse projeto, a Montreal firmou parceria com um relevante fornecedor de equipamentos e algoritmos de reconhecimento biométrico – a empresa alemã Dermalog, e formou um consórcio do qual ainda participou a Xerox. O consórcio, sob a liderança da Montreal, foi vencedor do certame contra vários competidores do exterior e fez a primeira implementação bem sucedida de um sistema de identificação biométrica civil e criminal utilizando a tecnologia AFIS – Automated Fingerprint Information Service no Estado do Rio de Janeiro.

A parceira da Montreal com a Dermalog permanece até hoje, com mais 20 anos de sucesso no Brasil.

Nessa época, a Montreal ainda implementou um projeto histórico: o sistema de votação através de identificação biométrica na Câmara dos Deputados, em Brasília, que é utilizado até hoje, evitando fraudes e garantindo transparência e segurança na representação política do país.

Atualmente, a tendência é a fusão de diversas biometrias. De digital a facial, passando por palmar e até pela voz, cada uma acaba contribuindo com as suas características e compensando eventual dificuldade de uso ou baixa qualidade na identificação – considerando que a biometria não é uma ciência exata, e sim “probabilística”, que fornece um score, um percentual de certeza da identificação do indivíduo, a utilização de multi-biometria é especialmente importante.

Nas soluções ABIS – Automated Biometric Information Systems, há possibilidade de utilização de dispositivos, para captura dos vários tipos de biometria. No caso de uma falha na leitura de um, o outro pode ser a solução.

Mesmo com a redução de custos ao longo desses 20 anos, ainda hoje os investimentos para aquisição desse tipo de dispositivos, com alta qualidade e precisão, são consideráveis – especialmente quando se trata de implantação em larga escala. Mesmo assim, considerando os benefícios e aplicabilidade da solução, houve uma considerável disseminação da utilização desses componentes no mercado, com muitos estados no Brasil implementando tecnologias biométricas na emissão de carteira de identidade.

Com a evolução dos smartphones, a Montreal passou a oferecer também soluções de identificação em dispositivos móveis, onde a biometria facial tornou-se a mais utilizada, considerando sua facilidade – especialmente para aplicações que não demandam a precisão da tecnologia de identificação digital.

Outros tipos de utilização certamente aparecerão sempre que se tenha necessidade de validar a identidade de uma pessoa.

O surgimento e expansão dos assistentes pessoais como Alexa, Google Home, entre outros, com a utilização da voz como interface, certamente levará a popularização do seu uso para a certificação de identidade, diminuindo o risco de crimes, evitando a fraude ideológica, possibilitando verificar se quem se apresenta para a certificação confere com os dados registrados, de forma rápida, simples e direta, no ambiente virtual, com a utilização de dispositivos móveis.

Essa facilidade permite a expansão e disponibilização de novos serviços digitais para os usuários – seja no mercado privado ou no público – garantido comodidade a amplo acesso, reduzindo tempo e custos. Como exemplo podemos citar vários países que estão disponibilizando cada vez mais serviços públicos em ambiente digital, os quais eram anteriormente disponíveis somente através de acesso presencial aos usuários, garantido a desburocratização e trazendo agilidade e eficiência. Novos bancos digitais estão surgindo no mercado a cada momento, disponibilizando acesso a serviços financeiros em forma de “auto-serviço”, utilizando fortemente a identificação biométrica em suas várias possibilidades, através dos aplicativos mobile, incluindo ainda a possibilidade de envio de documentos nesse mesmo canal.

Entretanto, é preciso alertar que junto ao crescimento da utilização da biometria, vem a sofisticação nos esquemas de fraudes. É por isso que hoje muitas aplicações precisam de mecanismos para garantir que a biometria apresentada, principalmente face e impressões digitais, sejam reais ou vivas. Ou seja, tomando as devidas precauções, a biometria pode ser um projeto de sucesso com segurança.

O modelo adotado pelo INSS no Brasil é exemplo disso. O órgão transferiu aos bancos pagadores de benefícios, o ônus da prova de vida. Eles estão usando seus sistemas de biometria dos caixas eletrônicos para a prova de vida presencial.  Com isso, o processo se torna prático para o INSS, que repassa para os bancos esse benefício, remunerado pelo rendimento da movimentação financeira do beneficiário.

A DATAPREV é mais uma empresa que começa a ensaiar um projeto de esquema universal, baseando-se no reconhecimento facial. No exterior, alguns serviços de “well-fare” e pensão tem usado soluções desse tipo, inclusive baseados na voz, que podem ser usadas em linhas telefônicas fixas.

Em todo caso, você já viu que não é de hoje que a biometria está em nossas vidas. Buscando sempre evoluir e se adaptar ao mercado, estamos tomando um caminho no qual ela vai cada vez mais fazer parte das nossas vidas. Fique ligado nas oportunidades cada vez mais relevantes nesse mercado – seja você o provedor de serviços ou usuário da solução, ela vai sempre facilitar a sua vida!